Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

Tantas vezes o eu!

por Ismael Sousa, em 21.11.18

(Colocar a reproduzir antes de começar a ler)

Estou deitado na minha cama. A chuva bate fortemente na claraboia do meu quarto. O meu pensamento... Ah!, o meu pensamento. Quem sabe por onde andará. Quem sabe? Sinto-me... perdido, triste. Sinto-me como se não tivesse um amanhã ou que o meu amanhã fosse tão fútil, sem sentido.

 

Perco-me diversas vezes nas minhas palavras. Perco-me na futilidade, naquilo que eu acho que pode ser importante mas que é somente o rosto amargo da minha ilusão.

 

A chuva, a esplanada, o café, a vidraça, o cigarro que fumo incessantemente. São tudo momentos de dor, melancolia. A saudade daquele tempo que já não existe. São pedaços de mim, são a falta de ti.

 

Eu! Tantas vezes o eu. Eu que penso, que paro, que me acho diferente de todos os outros. Eu, tantas vezes o eu. Ser da monotonia, do cansaço, da fragilidade. Eu, tantas vezes o eu. Tantas dores comuns a todos os outros e achar sempre que são dores maiores. Qual será, na verdade, o tamanho das dores? Qual será, na verdade, a verdadeira dor?

 

A chuva, na vidraça, é como a chuva no meu coração. Qual coração qual quê, se o coração é somente mais um órgão funcional em todo o corpo que me faz sobreviver. Corações não existem, não sentem. Os corações são órgãos vitais.

 

Eu, exagerado em toda a forma de sentir, onde me refugio nestas palavras ocas, sem sentido, onde as frases estão perdidas, onde as frases não são mais que meras e simples frases. Eu, quantas vezes o eu?

 

Sinto-me como se fosse, por vezes, um pobre desgraçado que só tem razões para chorar, quando, talvez na verdade, eu só tenha razões para sorrir. Mas falta-me... falta-me algo! Falta-me aquilo que eu não consigo explicar e que nem as palavras conseguem transparecer. Ah!, essas... essas que são as verdadeiras palavras. Aquelas que eu escrevo nesta noite, que pronuncio no meu pensamento. Essas palavras que são meros “eus”, espelhado numa escrita fútil, sem sentido, onde ninguém lê, onde abunda o exagero. Essas palavras onde eu me perco, são somente sentimentos que existem dentro de mim.

 

Não me interessa se existem no pensamento, se existem no cérebro, ou se existem no coração. Existem dentro de mim, neste ser que eu sou.

 

Amo. Amo tanto. Amo de uma forma que não tem medida. Sou assim! Sou assim como a chuva que cai, como a folha que voa ao vento: um simples acontecimento da natureza.

 

Ah!, esse coração que me enfurece! Não me interessa se é somente um órgão. É aquele coração dos sentimentos, aquele coração que existe dentro de mim, que palpita mais forte quando eu estou feliz, que palpita nas noites em que choro mesmo quando a lágrima não cai. Esse coração, órgão ou ficção, é parte de mim. E a chuva, o vento, o frio, o sol, o café, a esplanada, a vidraça, o cigarro, o olhar no firmamento ou no horizonte são partes de mim com as quais eu tenho que viver.

 

Não me digam que eu posso ser diferente, porque eu não posso ser diferente! Eu sou assim! Esta é a minha forma de ser.

 

Encharco-me demasiadas vezes em bebida para não pensar naquilo que me vai na mente nem... nem na forma como a minha vida está tão vazia, tão oca, tão sem sentido. Preencho cada minuto do meu dia para evitar pensar, para evitar sentir. Mas quando me abunda o tempo e eu não sei o que fazer, entristece-me a alma. Deito-me na cama, cubro-me com os cobertores, tento adormecer. Mas o pensamento é mais forte e não me deixa... não me deixa adormecer.

 

Ah!, que saudade, que fado o meu. Duas palavras tão simples mas que transmitem tanto de mim. Uma saudade sempre eterna, um fado que eu não conheço mas que ouso cantar. Um fado que eu gostaria de escrever ou uma saudade que eu gostaria de saciar.

 

Eu! Eu. Perdido nas palavras, perdido na vida. E todo aquele sentimento, toda aquela vontade de querer ser diferente, de não ser um filho da melancolia ou da tristeza. Ser um filho da alegria e do sol que brilha no firmamento. Eu, tantas vezes o eu. O olhar em demasia para o meu umbigo, o perder-me em demasia nos meus pensamentos.

 

Mas eu também me perco nos outros, porque só perdendo-me nos outros a minha vida ganha sentido. Mas que interessa? Que interessa se eu me perco infinitamente nos outros se os outros não notam? Que interessa eu dar-me sem medida se tudo aquilo que eu recebo é medido e pesado?

 

Vida! A vida. Mas que vida é esta, que merda de vida é esta, que forma estúpida de viver? Onde está o sentido, onde está tudo aquilo que eu gostaria de ter? Chove, o sono não vem.

 

Ah, se eu pudesse... se eu pudesse libertar-me de todas estas amarras que me prendem. Se eu pudesse ao menos sentir que era a minha oportunidade de ser feliz, de ter aquilo que eu queria, que eu desejo, que eu sempre achei que a vida teria guardado para mim. Não é o teu tempo, uns dizem, não é agora. Mas quando será essa merda desse tempo, quando será esse momento que eu vou estar completo, que eu me vou sentir completo. São tantas as palavras, são tantas as dissertações que eu poderia fazer sobre este tema. Mas não há mais nada a dizer. Não há mais nada a dizer quando o homem se perde sempre nas mesmas coisas, quando eu me perco sempre neste sentimento de abandono.

 

Abandono. Das palavras mais difíceis de pronunciar. Dos sentimentos mais difíceis de vivenciar. Foda-se! Que todo este sentimento vá para o raio que o parta, para o diabo que o amassou!

 

Sinto-me a fraquejar. Sinto-me perdido, sem forças para encontrar o norte. Sinto-me como uma bússola sem agulha. Sinto-me... não sei como me sinto.

 

Chove, continuamente.

 

Eu deixo-me morrer.