Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

Cabeça Falante

por Ismael Sousa, em 22.01.18

Aconteceu. Finalmente aconteceu. A 'Cabeça Falante' já anda por aí.

 

O convite surgiu há uns meses, por parte o meu grande amigo Amaro Rafael. Aconteceu, como sempre acontece. Desafia-me, faz-me reescrever-me. Pediu-me um texto, uma pequena participação para uma fanzine que iria publicar. Receei por longos dias. Que iria escrever, sobre o quê? Seria eu capaz de estar à altura daquele desafio, iria ele gostar, iriam as pessoas gostar?

 

Escrevi. Apaguei. Voltei a escrever. Li, reli e voltei a ler. Corrigi. Mandei a primeira versão, depois outra corrigida e mais um pequeno acrescento. Estava feito. Dentro de mim nascia, a cada dia, a ânsia de ter na minha mão aquele que seria o meu primeiro texto livre publicado. Depois voltaram novamente os temores. Ele ia-me dizendo nomes e eu sentia-me cada vez mais pequeno, receoso. Mas já estava.

 

Depois surgiu o segundo convite, o de fazer a receção aos convidados. Só poderia aceitar, seria impossível dizer-lhe que não. E os nervos aumentavam ainda mais.

 

Este domingo, dia 21 de janeiro do ano de 2018, foi o dia do lançamento. Sobre isso não irei falar, pois já podem ler uma pequena resenha sobre o dia no Des i.

 

Foi enorme a emoção que senti ao estar ali, com a fanzine na mão, o meu nome na capa. Tremia como varas verdes. O início de um sonho estava ali. Mas não era o único sonho que ali estava. A música é, também, um dos meus grandes amores. E ali estava eu, prestes a começar um mini concerto com a minha querida Lígia. Começámos com Rosa Sangue, fomos Loucos de Lisboa, cantamos No Teu Poema e acabámos com Solta-se o Beijo. Tremeu e falhou a voz, uma ou outra vez o tom. Mas diverti-me imenso, naquele mini concerto tão intimista, perante tanta gente desconhecida e tanta gente conhecida.

 

Depois foi altura de subir a palco, de falar sobre o meu texto.

«'Amei-te eternamente' não é só mais um texto, mas é uma alma que fala pelas palavras, que inventa e reflete realidades. É um inicio de uma tentativa de derrubar tabus e falar aquilo que o coração sente e a mente oprime.

Escrever não é somente colocar palavras seguidas de palavras. Escrever é, na minha humilde opinião, transpor por palavras aquilo que tanto sentimos. É um esconder entre linhas sentimentos que são tão secretos.

Existem sonhos na alma, metas que desejamos atingir. Hoje inicia-se este sonho, é a rampa de lançamento.

Amei-te eternamente é um amor que fica para sempre. Amei-te eternamente é a força que não me deixa morrer. Amei-te eternamente...»

 

Neste momento sinto-me muito grato e vou usar as palavras, que me correm nas veias e fazem palpitar o coração, para agradecer.

 

Primeiro agradecer ao meu Amaro Rafael pelo convite, pela forma sempre honesta com que me critica os textos, pela força que me dá, por querer sempre que eu me lance do precipício em busca de novas aventuras. Agradecer pela sua grandeza, pela sua força e pelo ser enorme que é.

Agradecer aos meus pais pela presença, por sempre estarem lá, por me deixarem ser o louco que tanto sou. Obrigado por nunca desistirem de mim mesmo quando eu tanto desiludo.

Agradecer à Lígia pela enorme amizade, por se ter lançado no desafio de cantar comigo, quando a sua voz é tão grande, tão maior que a minha. Obrigado por tudo! Obrigado ao Jorge por ter aceite o meu convite e dar um enorme brilho ao momento.

Agradecer à Patrícia, ao Cristian, ao Pedro e ao Zé Carlos por estarem neste momento tão importante para mim. Sabem o quanto significam para mim.

Ao meu irmão por estar, mesmo quando somos tão diferentes, quando nos zangamos e temos opiniões tão diferentes. Mas também por todo o amor.

Aos abraços que me deram e às palavras que me dirigiram. Agradecer, também, a todos os que me leem, mesmo que invisíveis. Obrigado por lerem este louco.

Obrigado a todos que suportam a minha loucura, tantas vezes sem me entenderem. Obrigado do fundo do coração.

'Amei-te eternamente' é o início.

IMG_1841.jpg

 

 

"Cristina": a vergonha de uma capa!

por Ismael Sousa, em 07.07.17

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.”

 

Todos os dias somos bombardeados com coisas que nos escandalizam, com coisas que vão contra os nossos princípios, bem como aquilo que consideramos normal. Todos os dias o mundo está em constante mudança, em constante evolução, em inevitável mudança. Coisas novas se descobrem, novos assuntos são trazidos à ribalta. Este é o mundo onde nasci, o mundo onde vivemos. É a razão humana e a ininterrupta evolução de Darwin.

 

Crescemos com as nossas ideias, com aquilo que vamos apreendendo e formando na nossa mente, segundo costumes e tradições. E como seres humanos que somos, vamos classificando como bom e mau aquilo com que nos defrontamos. Há ideias e ideais que mantemos, outros que revíramos totalmente e ainda aqueles que vamos moldando. Somos inerentes à mudança. O que hoje estranhamos, amanhã entranhamos.

 

A bomba rebentou com uma partilha nas redes sociais e outros meios. Na véspera do lançamento mensal da afamada revista “Cristina”, a diretora da revista, a própria Cristina Ferreira, partilhou as duas capas possíveis de encontrar nas bancas, no dia seguinte. Sob o título “isto choca?” onde se via Cristina Ferreira a beijar um homem, apareciam mais duas capas, aquelas que sairiam para as bancas: duas mulheres a beijarem-se e dois homens a beijarem-se. O caos, a polémica, a controvérsia estavam instaladas. As reações foram inúmeras, tanto positivas como negativas. E, para mim, surge o escândalo.

 

Vivemos em pleno século XXI. Celebrámos, há poucos dias, a abolição da pena de morte em Portugal, fizemos história neste último ano. Acreditamos numa mentalidade aberta e em mudança. Pelo menos eu acredito, mas parece-me que me desiludi. Sempre acreditei nas pessoas e na sua capacidade de mudança, mas ontem senti vergonha. Vergonha e desilusão. As redes sociais facilitam-nos em ver tudo, principalmente quando as coisas não são boas, parecem um vírus que se espalha com uma enorme rapidez. A capa da revista “Cristina” estava a chocar o povo português que se sai com o seu pior lado. Os comentários que apareceram não são dignos de serem citados. Há linguagem e homofobia em exagero. O lado negro dos portugueses demonstra-se.Vivemos no século XXI mas com uma mentalidade do século XV.

 

A capa da revista é polémica, sem dúvida, porque é das poucas (se não a única) a mostrar algo deste tipo em Portugal. Como tudo há quem goste e quem não goste. Mas daí a mostrarem a sua ignorância, vai um grande passo. Não concebo, na minha ideia, que se digam tantas barbaridades como as que foram ditas. Fala-se em aceitar ou não aceitar. Para mim, ninguém tem que aceitar ou não aceitar. As pessoas gostam do que gostam e cada um tem a sua ideia. Temos que respeitar. Somos livres de ter a nossa opinião, livres da expressar. Mas quando isso interfere na dignidade do outro, não temos direito nenhum. A minha liberdade acaba onde começa a do outro.

 

O beijo entre dois homens tem sido o principal motivo de todo o escândalo. Sobre o beijo entre duas mulheres, poucos se manifestam de forma tão agressiva. Algumas pessoas falam no que está capa poderá fazer aos seus filhos. É muito estranho que isso aconteça, que dois homens aos beijos seja “traumático” para uma criança. E uma mulher/homem despidos nas capas de revistas nas bancas?! É uma criança morta numa praia?! E a guerra?! Isto não é traumático?!

 

Comecei este texto com o primeiro artigo de “Os Direitos do Homem”. “Iguais em dignidade e direitos”, mas parece que não. Parece que só alguns podem usufruir disto. Cada vez mais se assiste a uma desvalorização de valores. Na televisão existem programas totalmente sexuais, onde a traição e o “eros” é o principal. Valorizam-se corpos em vez de personalidades. Mas isso é correto. Agora aceitar que dois seres do mesmo sexo se amem, que vivam em valores e dignidade, não! Isso é contranatura.

 

A minha opinião/posição em relação a esse tema, guardo-a para mim. Se me escandaliza? Não! Em minha casa, ao contrário de muitas, a revista “Cristina” entrou, como todos os meses. Os artigos estão lidos. Contra tanta coisa, sinto-me feliz por aqueles dois casais serem felizes, por viverem com mais valor que muitos casais heterossexuais. É preciso ter coragem para lançar uma revista com uma capa destas. É preciso ir contra muita coisa. É preciso fazê-lo. Contra todos os riscos, contra todos os tabús. O tema está mais que presente na nossa sociedade, temos que viver com ele.

 

A diferença é sempre contraditória. Eu, por várias vezes, fui rotulado de “gay”, somente porque não namorava, porque não namoro. É uma opção minha, mas isso mexe com as pessoas. Todas as semanas ouço que tenho de arranjar uma namorada, uma pessoa para a minha vida. E quem disse que quero?! Porque não posso viver sozinho e mesmo assim ser feliz?! Porque temos de ser todos iguais?! Cada um sabe da sua vida e vivi-a da forma que se sente mais feliz! Sou diferente e isso incomoda muita gente. E como eu, muitos sentem a dor da diferença, a rejeição dessa ideia.

 

Parabéns Cristina Ferreira pela coragem de derrubares tabús, pela coragem de seres diferente, por falares no que muitos não falam. Obrigado Cristina Ferreira por, com esta capa, ajudares tanta gente, por criares incómodo, por trazeres a público aquilo que se fala por entre dentes. Espero, sinceramente, que com isto abras mentes, abras portas de armários. Ser gay, bi ou hetero, são todos seres humanos. Temos todos direitos, como temos todos deveres. Aceito e gosto da diferença. Obrigado aos casais que posaram para as capas. Obrigado por tomarem essa coragem mesmo sabendo as represálias que poderiam vir a sofrer.

 

IMG_1352.JPG