Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

Renascer de um útero de mar

por Ismael Sousa, em 11.03.19

Chegou com o coração carregado e a arder de mágoa. Chegou, arrastando todas as correntes que trazia agarrado a si. O peito arfava de cansaço e dor.

 

O mar estava calmo, o areal sem ninguém. Brilhavam as estrelas no céu, a lua em quarto minguante. Mas ali, junto ao mar, somente a luz do velho farol, rodando sobre si mesmo com as suas largas riscas brancas e vermelhas, alumiava os céus. Tudo em seu redor era escuridão. As ondas rebentavam diante de si. Nem um único pensamento na sua cabeça. Somente o vento que lhe batia fortemente no rosto, o frio que lhe arrefecia o corpo.

 

Sentou-se, ali onde nada mais existia. As lágrimas escorriam-lhe para dentro, tentando apaziguar a dor e apagar o fogo que dentro de si existia. Tentava encontrar explicações, perceber as razões que o levavam a tanto sofrimento. Mas só compreendia o silêncio. Rezava ao mar para que o inundasse e destruísse tudo o que havia em si. Rezava-lhe para que levasse o que de mau existia e que algo de bom trouxesse. Como se de um pequeno contrato tivesse estabelecido há muito tempo com o velho mar.

 

Mas na sua cabeça só existia o later de alguns nomes, de amores que magoaram, de pessoas que foram mais ausência que presença. A dor das promessas que ficaram por cumprir, das palavras que soaram a falso, das atitudes de que nada valeram. Tudo ao acaso. Um acaso que não existe mas liderado pela dor imensa de passados que nunca existiram.

 

Tirou os sapatos e as meias e caminhou em direcção ao mar. As calças largas e compridas esvoaçavam com o vento. A camisa branca já desfraldada, ia dançando ao mesmo ritmo. Mergulhou os pés na água gélida. Todo o seu corpo tremeu e arrefeceu de forma instantânea. Avançou pelo mar dentro, como se de alguma maneira se decidisse entregar a algo maior e que haveria visto mais dor que os seus olhos alguma vez poderão ver. Avançava como de regresso a um útero que o tivesse expelido cá para fora sem que ele o desejasse. Avançava num regresso às entranhas de um mundo, onde tudo é belo e diferente, onde tudo é passageiro. Entregava-se à morte naquele mar calmo e reconfortante, que tudo leva e tudo trás. Que tantos amores tinha levado e que nenhum havia trazido.

 

As calças molhadas até ao joelho agarravam-se agora às suas pernas, pesando-lhe no caminhar, pesando-lhe na entrega ao destino fatal, àquele que não era mais seu. Entregava-se sem resistir, sem correntes que agora o prendessem a um mundo que não era mais parte de si, do qual deixou de existir há tanto tempo, sem que se tivesse dado conta, sem que o mundo notasse.

 

E ali estava, entregue à morte, na escuridão de um mundo qualquer, na escuridão de uma praia qualquer, despovoada de gentes ou animais selvagens. Somente a morte, o mar e a luz do farol de círculos brancos e vermelhos pintados. O farol... O farol era agora a sua única âncora ao mundo que desejava deixar para trás. Era, naquele momento, como um canto da sereia, que o levava de regresso a um mundo que achava que não era seu, a um mundo que nenhuma esperança parecia dar-lhe. Mas aquele canto da sereia formulado por uma luz giratória chamava-o para uma nova existência, chamava-o para uma nova vida, uma nova forma de viver.

 

Olhou o mar novamente, sentiu o frio que o inundava. Deixou o mar e sentou-se no areal. De novo o seu olhar fitava para lá desse mar imenso. Fitava o pensamento, o seu passado e a necessidade de se desligar do que o rodeava. Levantou-se, molhou novamente os pés. Pela primeira vez a lágrima escorreu-lhe pelo rosto. Recuou.

 

Com o dedo indicador escreveu na areia molhada os nomes que latejavam na sua cabeça, ali onde as ondas acabavam por morrer, naquele limiar em que o mar leva, aquele limite onde o mar deixa. Escreveu-os um a um, primeiro e último nome, com todas as letras, com aquela caligrafia de escola primária. Por baixo traçou um traço profundo. Olhou os nomes, um a um. Amores que teve e que o destruíram. Amores que recordava em todos os dias da sua vida, desde que terminaram. Amores que consumiram a sua vida até ao tutano. Olhou os nomes um a um e tentou recordar o que havia de bom. Mas só havia dor dentro de si.

 

"Despedimo-nos aqui!", sussurrou. E pouco a pouco foi-se afastando sem tirar os olhos dos nomes que tinha escrito, do lugar onde a partir daquele dia iriam jazer. Olhou-os enquanto recuava até que o mar os apagou. E aí virou as costas, seguiu o seu caminho, com os olhos colocados na luz do farol, gigante, de riscas vermelhas e brancas, com a luz a girar sobre si.

 

Dentro do seu peito já não ardia nada. Dentro de si existia somente a calma e o renascer para um novo dia. O mar lançara-o para este mundo como se tivesse renascido novamente. Há sempre um amanhã e nova esperança e um sol a brilhar.

E voltaram as chuvas!

por Ismael Sousa, em 17.10.18

Voltou a chuva. Voltaram os ventos frios, as manhãs nebulosas, os dias cinzentos. Voltou a chuva.

 

Dou por mim irrequieto, sem vontade ou motivação que me valha. Sinto-me vazio, abandonado, com a aura negra, sem vida. Percorre-me na mente as pessoas que fui perdendo ao longo dos tempos. Recordo os seus rostos, os nossos momentos, as nossas conversas. Perco-me no pingo das chuvas que caem do lado de fora da janela. A saudade aperta dentro do meu peito, o sentimento de culpa por de alguma maneira ter menosprezado ou ter abandonado amizades ou pessoas ao longo da minha vida.

 

O dia hoje está cinzento, sem brilho. Não há nada que faça exaltar uma alma perdida de um horizonte que a guie. Existe a perda em demasia no meu peito, a saudade dos risos e da vontade que dentro de mim crescia.

999F7099-1696-4256-9C34-E7FAEDC607C7.JPEG

 

Tomo o meu longo café com sabor a cigarros constantes que enublam o meu pensamento num esforço enorme de não deixar que a lágrima escorra pela minha face. Sinto-me impotente, sem capacidade de fazer algo que mude aquilo que eu sou, aquilo que eu sinto.

 

O café está escuro, apesar das luzes estarem ligadas. A cobertura de madeira escura de todo o café entristece mais a alma que a acalenta. A superficialidade do momento, daquilo que eu suponho ter e não tenho. A incerteza do meu futuro, a vontade de me focar e não ter por onde me mover.

 

A madrugada da minha vida parece não ter despontado. Faltam-me as certezas e as forças, falta-me a vida, falta-me a alma.

 

Digito uma mensagem no telemóvel, apago-a. Falta-me a coragem de dizer aquilo que me vai no coração. Falta-me a força ou estou cheio de receio, da resposta que possa vir ou da mensagem que não virá.

 

O meu coração palpita incessantemente. Corre-me nas veias a fraqueza e a falta de um amor que me preencha. Apaixono-me constantemente e com muita facilidade. Preciso da atenção despendida, necessito do amor e do carinho. Sou feito de emoções, das emoções que fazem aquecer o coração. Amo o que não me ama. Uma constante da vida que se perpetua pelo tempo.

 

Voltaram as chuvas, voltaram os dias cinzentos e as longas horas dentro do café, inspirando cada palavra que escrevo na gota de chuva que escorre pela janela embaciada pelo calor de um ar artificial.

 

Preciso do tempo, do tempo que urge. Preciso do meu espaço e da minha calma, da lareira acesa, do lume que consome a madeira. Necessito do livro e do chá quente, do meu canto indiferente, onde sou eu na minha paz. Preciso do meu espaço, aquele espaço pelo qual ambiciono mas não possuo. Sou, eternamente, vazio e sem sentimento, triste e oco.

 

As palavras acumulam-se nas pontas dos dedos, querendo-lhes dar vida, querendo tornarem-se algo. Mas eu confundo-as, troco-as e as não sei expressar. Sou somente fútil e incapaz, preso a sentimentos que são tão díspares. Sou a encarnação da fraqueza e do abandono.

 

A chuva voltou. Voltaram os dias cinzentos e sem luz, o frio que leva a vida, a saudade que retoma, a melancolia que se instala. Voltaram as chuvas e a vida que eu não tenho.

Negruras

por Ismael Sousa, em 15.09.18

O caos. Tantas vezes o caos. A mente que percorre mil e um locais, memórias, pensamentos. O caos, responsável por nos fazer pensar.

Uma tarde de sol, o calor nas ruas. Eu, no meu local, refugiado de todos e mergulhado, como sempre, nos meus pensamentos.

Por vezes maldigo a hora em que o meu pensamento começou a funcionar, as horas de sofrimento da minha mãe para me parir. Tomara que não fosse concebido num momento de prazer entre dois seres humanos, gerando uma criança. Haveria de ter falhado algo, haveria de ter passado somente de uma simples ejaculação sem frutos. Mas não. Os espermatozoides decidiram nadar em direção a um maldito óvulo, criando a minha existência.

Sem sorte desde esse momento, fui crescendo ao longo de nove meses, absorvendo aquilo que a minha mãe é, aquilo que ela sentia e que tão bem me transmitiu. Maldita hora em que o cordão umbilical não torceu e eu ficasse somente com aquilo que era essência. Mas não torceu e eu continuei a absorver tudo aquilo que se vivia no exterior, a forma como a minha progenitora sente as coisas e a dedicação que põe nelas.

Devo ter sido feito numa noite de lua nova e nascido numa mesma lua nova, nove meses depois. Saí das entranhas da minha mãe e a minha sorte escorreu juntamente com o líquido amniótico. Limpo das sortes que o mundo tinha para mim, chorei a primeira vez talhando assim um futuro com mais choros que sorrisos.

Cresci, de forma diferente de todos os outros, sempre no meu mundo, sempre na minha forma de pensar, usado e abusado por tantos. A minha sorte não começaria ali. Toldei a minha vida pelo bem ao próximo em preterição ao meu próprio bem. Fui escorraçado e deitado aos leões. Depois veio a saúde que me fez ter que ter forças, mais do que as que eu pensava ter. Perdi demasiado, ganhei mais, talvez. Depois soube que me fiz de pobre coitado, centrando todas as atenções em mim. Maldita hora em que de alguma forma tentei ser diferente.

A noite já se abateu sobre mim, entre cigarros fumados com lágrimas, a longos cigarros pensativos. Tenho saudades, em mim, muitas mais que alguém possa algum dia imaginar. Sou diferente, não sou como todos os outros. Sinto de forma diferente e especial, sinto de forma triste e amargurada. Sou melancólico e triste, negro de alma e de pensamento. Deixei de esperar, deixei de acreditar. O mundo não é para mim, eu não fui feito para o mundo.

Embebedo-me nos meus pensamentos que as ausências me provocam, que os amores que senti nunca foram correspondidos. Um dia achei ser amado, mas fui somente mais um entre tantos. Tive demasiadas partidas e tão poucos regressos. Mergulhei em mim, fechando-me no escuro do meu ser sem luz que o ilumine.

Acabou o maço de cigarros, o bar vai fechar e eu vou deambular pela noite escura e fria. Vou voltar a lembrar de ti, lembrar que um dia estiveste a meu lado. Vou esperar encontrar-te numa rua escura ou iluminada pela rua. Vou esperar-te até que apareças, sentir-te até que sejamos novamente. Vou morrer na espera, desaparecer do pensamento, deixar de ser memória.