Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

Renascer de um útero de mar

por Ismael Sousa, em 11.03.19

Chegou com o coração carregado e a arder de mágoa. Chegou, arrastando todas as correntes que trazia agarrado a si. O peito arfava de cansaço e dor.

 

O mar estava calmo, o areal sem ninguém. Brilhavam as estrelas no céu, a lua em quarto minguante. Mas ali, junto ao mar, somente a luz do velho farol, rodando sobre si mesmo com as suas largas riscas brancas e vermelhas, alumiava os céus. Tudo em seu redor era escuridão. As ondas rebentavam diante de si. Nem um único pensamento na sua cabeça. Somente o vento que lhe batia fortemente no rosto, o frio que lhe arrefecia o corpo.

 

Sentou-se, ali onde nada mais existia. As lágrimas escorriam-lhe para dentro, tentando apaziguar a dor e apagar o fogo que dentro de si existia. Tentava encontrar explicações, perceber as razões que o levavam a tanto sofrimento. Mas só compreendia o silêncio. Rezava ao mar para que o inundasse e destruísse tudo o que havia em si. Rezava-lhe para que levasse o que de mau existia e que algo de bom trouxesse. Como se de um pequeno contrato tivesse estabelecido há muito tempo com o velho mar.

 

Mas na sua cabeça só existia o later de alguns nomes, de amores que magoaram, de pessoas que foram mais ausência que presença. A dor das promessas que ficaram por cumprir, das palavras que soaram a falso, das atitudes de que nada valeram. Tudo ao acaso. Um acaso que não existe mas liderado pela dor imensa de passados que nunca existiram.

 

Tirou os sapatos e as meias e caminhou em direcção ao mar. As calças largas e compridas esvoaçavam com o vento. A camisa branca já desfraldada, ia dançando ao mesmo ritmo. Mergulhou os pés na água gélida. Todo o seu corpo tremeu e arrefeceu de forma instantânea. Avançou pelo mar dentro, como se de alguma maneira se decidisse entregar a algo maior e que haveria visto mais dor que os seus olhos alguma vez poderão ver. Avançava como de regresso a um útero que o tivesse expelido cá para fora sem que ele o desejasse. Avançava num regresso às entranhas de um mundo, onde tudo é belo e diferente, onde tudo é passageiro. Entregava-se à morte naquele mar calmo e reconfortante, que tudo leva e tudo trás. Que tantos amores tinha levado e que nenhum havia trazido.

 

As calças molhadas até ao joelho agarravam-se agora às suas pernas, pesando-lhe no caminhar, pesando-lhe na entrega ao destino fatal, àquele que não era mais seu. Entregava-se sem resistir, sem correntes que agora o prendessem a um mundo que não era mais parte de si, do qual deixou de existir há tanto tempo, sem que se tivesse dado conta, sem que o mundo notasse.

 

E ali estava, entregue à morte, na escuridão de um mundo qualquer, na escuridão de uma praia qualquer, despovoada de gentes ou animais selvagens. Somente a morte, o mar e a luz do farol de círculos brancos e vermelhos pintados. O farol... O farol era agora a sua única âncora ao mundo que desejava deixar para trás. Era, naquele momento, como um canto da sereia, que o levava de regresso a um mundo que achava que não era seu, a um mundo que nenhuma esperança parecia dar-lhe. Mas aquele canto da sereia formulado por uma luz giratória chamava-o para uma nova existência, chamava-o para uma nova vida, uma nova forma de viver.

 

Olhou o mar novamente, sentiu o frio que o inundava. Deixou o mar e sentou-se no areal. De novo o seu olhar fitava para lá desse mar imenso. Fitava o pensamento, o seu passado e a necessidade de se desligar do que o rodeava. Levantou-se, molhou novamente os pés. Pela primeira vez a lágrima escorreu-lhe pelo rosto. Recuou.

 

Com o dedo indicador escreveu na areia molhada os nomes que latejavam na sua cabeça, ali onde as ondas acabavam por morrer, naquele limiar em que o mar leva, aquele limite onde o mar deixa. Escreveu-os um a um, primeiro e último nome, com todas as letras, com aquela caligrafia de escola primária. Por baixo traçou um traço profundo. Olhou os nomes, um a um. Amores que teve e que o destruíram. Amores que recordava em todos os dias da sua vida, desde que terminaram. Amores que consumiram a sua vida até ao tutano. Olhou os nomes um a um e tentou recordar o que havia de bom. Mas só havia dor dentro de si.

 

"Despedimo-nos aqui!", sussurrou. E pouco a pouco foi-se afastando sem tirar os olhos dos nomes que tinha escrito, do lugar onde a partir daquele dia iriam jazer. Olhou-os enquanto recuava até que o mar os apagou. E aí virou as costas, seguiu o seu caminho, com os olhos colocados na luz do farol, gigante, de riscas vermelhas e brancas, com a luz a girar sobre si.

 

Dentro do seu peito já não ardia nada. Dentro de si existia somente a calma e o renascer para um novo dia. O mar lançara-o para este mundo como se tivesse renascido novamente. Há sempre um amanhã e nova esperança e um sol a brilhar.

A chuva voltou...

por Ismael Sousa, em 11.10.18

Acordei com a chuva que batia fortemente na vidraça. O vento soprava-a, salpicando as grandes janelas do meu quarto. Uma neblina pairava sobre as copas das árvores, entranhando-se por entre a floresta que que se prolongava pelo monte.

 

Da minha cama conseguia contemplar todo aquele imenso cenário, de uma vista privilegiada, como um espetador na primeira fila de uma ópera, onde consegue ver os músicos que executam as partituras, os bailarinos nas suas melhores performances, as divas nos seus pontos altos. Privilegiado era assim que me sentia por acordar todas as manhãs com aquela vista. Durante o dia as cortinas estavam corridas, mas todas as noites as corria para conseguir contemplar o céu estrelado, a lua que se despedia por detrás das árvores.

 

Fiquei ali mais de dez minutos a contemplar aquele espetáculo da natureza. Fiquei até que o despertador tocou, dando sinal de alvorada numa manhã tão cheia de outono.

 

Mergulhava nestas manhãs tão cheias de estações do ano com uma enorme raridade. Os dias são passados a correr, de trabalho em trabalho, daqui para ali. Os dias são passados e as noites são o único momento de mim para mim. Mas a noite não tem estações do ano. As noites são todas iguais, algumas com nuvens, outras com estrelas. Umas com lua outras com chuva. Mas as noites acabam todas por serem iguais, frias no alto do monte, solitárias, escuras.

 

Por isso, cada vez que acordava antes do relógio tocar a hora de levantar, mergulhava em manhãs de pensamentos, sempre diferentes no seu acordar. A vidraça, virada para poente, haveria um dia de me permitir ver o sol esconder-se por detrás da montanha, na calma de uma vida que desejo ter.

 

O mundo parou por instantes em torno de mim. A neblina que por entre os troncos das árvores se dissipava, penetrava no meu pensamento de uma forma estranha, cobrindo o meu coração de uma felicidade simples. Como um suave lençol que com que se cobre um corpo nu sobre uma cama ou um véu com que se tapa a cara dos mortos. A felicidade é amarga, como um pico, um momento fugaz. A felicidade anda sempre de mãos dadas com a desgraça. Temo-a mais que a morte porque causa mais dor. E aquele suave sentimento de felicidade perturbou a minha mente, fazendo-me temer o futuro.

 

A chuva havia parado há algum tempo. O despertador voltou a tocar como de aviso se à primeira não o tivesse escutado. Olhei de novo aquela paisagem por detrás dos vidros salpicados pela chuva. Olhava de forma a perpetuar aquele quadro na minha memória, na procura de força para mais um dia. Fechei os olhos e vi na minha mente aquela imagem. Aquele pequeno pico de felicidade haveria de ficar marcada por aquela imagem. E mesmo que a dor venha a ser enorme aquele pequeno quadro, gravado com força na memória, haverá de me dar algum conforto.