Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

"Não te esqueças de aproveitar"

por Ismael Sousa, em 29.03.18

Das coisas que mais aconselho aos meus amigos, sempre que estes partem para algum local, vão visitar algo ou assistir a um espetáculo é, sempre, que aproveitem.

Creio que por vezes não se entende bem o que é este aproveitar. E na verdade o que é?

 

Sempre que saio de casa, para qualquer lugar, concentro-me sempre neste meu ideal. Gosto muito de fotografia e por vezes torna-se um bocado difícil distanciar-me da objetiva. Se não levo a Canon comigo, tendo a prender-me atrás do telemóvel, para conseguir registar sempre alguma coisa dos meus passeios.

 

Sou um ser mais de fora da gaiola que propriamente do seu interior. Sempre me achei muito preso dentro de quatro paredes. Por isso, sempre que posso, lá vou eu “laurear a pevide” para qualquer lugar, nem que seja só para dar uma volta por locais que estou farto de conhecer.

 

Como dizia esta semana, aquando da minha visita a Guimarães (podem ler aqui), cada local merece sempre uma segunda, terceira, quarta visita. Existem coisas que não cansam e inúmeros detalhes que nunca nos apercebemos ou que não demos a devida atenção.

 

Creio que os meus amigos me acham um pouco estranho por ter esta minha tendência de ir (e por outras coisas mais), nem que seja sozinho. Gosto de passear por ruas e ruelas, olhar as casas e as portas, as ruas e as vista. Claro que ando sempre a fotografar, é-me impossível não o fazer. Mas também há alturas em que gosto simplesmente de aproveitar e são esses momentos que mais me marcam a memória.

 

Não sei bem como descrever aquilo que quero dizer. Por exemplo: o ir e sentar-me ao sol numa esplanada, simplesmente a olhar o mar é algo que sempre faço, pela calma que me dá. Ou ficar a ver um por-do-sol ou simplesmente caminhar por entre as ruas.

Aproveitar, no meu ponto de vista, é fazer-me um com aquilo que se depara diante de mim, como a vista para o rio ou para o mar, a cor que o sol pinta nas casas ou a sombra que reside nas ruas com os dias nublados. É notar que há uma varanda engraçada, uma pequena pintura numa parede ou mesmo uma casa abandonada. Por vezes é sentir os cheiros que daqueles locais emanam, ver o rosto das pessoas.

 

Esta forma de aproveitar é sentir e reencontrar-me. É o parar que por vezes necessitamos, é sentirmo-nos felizes. Talvez aquilo que eu queira sempre dizer não seja explicável por palavras, mas somente pelo abandono aos sentimentos, emoções, vistas e sensações que algo nos pode proporcionar. Existem alturas em que o simples estar numa esplanada de uma praça a apanhar o sol ou a sentir a vida daquele local é-me mais proveitoso que um entra e sai aqui ou acolá. Uma boa tarde com amigos, a rir, recordar, falar, ou o simples fechar de olhos ao ouvir uma música faz sentir mais que toda a diversidade que possa existir.

 

Por isso a todos os leitores, nesta época de festa que é a Páscoa, desafio-vos a aproveitarem bem, quer seja a passear, em casa ou em família. Vivam o momento, esqueçam por alguns momentos os problemas, desliguem das redes sociais por um bocado. Em vez de postarem, vivam. Postem depois, vivam o agora.

 

Feliz Páscoa e aproveitem!