Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

Mar

por Ismael Sousa, em 01.10.18

As portadas de madeira da velha casa com riscas azuis e brancas batiam com força na trave que fazia toda a volta da janela mais a sul da casa. Ele abriu a janela e um vento forte entrou por toda a casa, apagando as velas que estavam dispostas sobre a mesa da sala.

 

- Trás o isqueiro! – replicou ele enquanto tentava fechar a custo a portada, impedindo que ela batesse ainda mais. O vento soprava e o mar em frente rebuliçava-se, batendo fortemente nos grandes rochedos que ocupavam quase toda a extensão da praia.

 

- Vai ser forte hoje… - atirou para o ar enquanto voltava a acender as velas que repousavam por ali, alumiando o espaço pequeno da sala. Um cadeirão de chenile a um dos cantos, uma pequena mesa de centro e um sofá com pouco mais de três lugares. Nas costas do sofá, dobradas e como que a marcar lugares, duas mantas, cada uma de sua cor, escuras (ou talvez fossem escuras devido à pouca luz que ali se tinha).

 

Sentaram-se à mesa, comeram o jantar e arrumaram a cozinha. Sentaram-se no sofá. O vento ainda soprava de forma impressionante do lado de fora. Ouvia-se o mar a bater e de repente um enorme troar ecoou por toda a casa. Quase que tivera a sensação de que toda a casa mexera, que um dos pratos ainda tilintara. Depois veio a chuva.

 

A cada som estarrecedor sucedia-se um enorme flash por toda a casa. As portadas estavam fechadas e toda a luz entrava pelas frestas delas e das portas. O som do mar, juntamente com a chuva e a trovoada pareciam ecoar como uma orquestra num opera qualquer, talvez sobre os descobrimentos.

 

- Vou lá para fora. – Balbuciou e saiu porta fora. Ele levantou-se, preparou duas chávenas grandes de café e saiu também.

 

Estavam os dois sentados, debaixo do alpendre envidraçado por causa das noites de chuva. Um gostava de ouvir a tempestade. A outro inspirava-lhe todo o cenário.

 

- As tempestades no mar são lindas. E estas noites de tempestade no mar são de uma brutalidade… - comentou ele. E de novo o silêncio, a eternidade do silêncio que perdurou por tempo que nenhum foi capaz de decifrar.

 

A magnificência daquela visão fazia acudir por um deus qualquer numa forma de agradecimento especial por se considerarem dignos de assistir a tão belo espetáculo da natureza. Era uma forma pura da natureza, a rebelião de um mar ou simplesmente a forma de união entre o céu e a terra.

 

O mar rebentava de uma forma bruta e generosa, os raios caíam sobre as águas, como se de uma mensagem tentasse enviar. O vento soprava brutalmente, fazendo dobrar o velho pinheiro que crescera junto à falésia e por ali tinha vivia desde há muito tempo.

 

- O mar, tantas vezes o mar. Inspirador, arrebatador, forte. Inspiram-me estas noites. Não sei como poderia deixar de viver aqui. Faz-me falta o mar. Amo-o quase tanto como te amo a ti. – e entrou, levando as chávenas para dentro deixando-o, a ele, a saborear aquele espetáculo que tanto gostava.

 

“Como te amo a ti…” foram as palavras que a ele ficaram a ecoar na cabeça. Entrou, apagou as luzes, abriu as portadas e foi-se deitar, abraçado a quem amava e a quem o amava.

 

O vento acalmou, a tempestade abrandou e a alma tranquilizou.

 

IMG_6884.JPG