Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

E se não houvesse chuva, o que seria?

por Ismael Sousa, em 03.03.18

Chove imensamente. Desde que acordei, e hoje foi cedo, que me deixei na cama mergulhado no barulho tranquilo da chuva que cai e nos pensamentos que na minha cabeça permanecem. Já passa do meio dia e eu ainda aqui permaneço, no silêncio do meu quarto. O meu rosto reflete sorrisos e lágrimas. Há a memória de momentos tão bons que ficam unicamente na memória vaga do meu pensamento.IMG_2713.JPG

Nada fiz, durante toda esta manhã. O mundo lá fora vive indiferente da minha existência. Há o grito que nasce em mim. Assolam-me as noites. Os fantasmas do passado matam o meu interior, perpetuando-me as noites sem dormir, envolto em barulhos em que me tento abstrair. Sou o medo e o medo sou eu.

Saí de casa, com banho tomado, vestido a rigor sem destino. Na minha mente a mera existência de um tempo perdido em pensamentos e preguiças. Ocupo os meus dias com excessos de trabalhos para não me perder. Sinto-me, a cada dia, mais vazio e sem uma motivação. A negatividade que sinto em mim, parece acentuar-se, ainda mais, com as expetativas que me colocam sobre os ombros.

Lá fora continua a chover e eu fugi para dentro do bar. Bebo um Gin enquanto escrevo estas palavras que me cosem a alma aberta de feridas. O rio corre, cheio, indiferente ao que encontra pela frente. O seu caudal vai-se alargando, lenta e pacientemente. O dia está cinzento, a minha alma está negra.

Fumo um cigarro e perco a vista pela vidraça embaçada pela diferença de temperatura que se sente: cá dentro o calor, lá fora o frio; cá dentro a tristeza, lá fora a vida.

A cada dia que passa sinto, com tristeza, o abismo que existe entre mim e as pessoas. Fujo, afasto-me. É a minha forma de proteção, a minha forma de evitar de os magoar, de lhes tocar com a minha aura negra. Sou a morte e a destruição que existe na vida das pessoas. Mato os momentos que vivo, sou passagem e não estação. Há um abismo, profundo, intransponível.

Há um cão que vagueia debaixo da chuva, os carros que passam indiferentes e fugitivos. Morre-se a cada dia que se vive. O mundo parece não querer nada mais que viver o seu dia, indiferentes ao passado, inconsequentes em relação ao futuro. Morre-se a cada dia que não se ama, que não se cuida, que não se preocupa. Vive-se indiferente com o mundo comum ao seu lado. Todos estão bem, apesar de todos os sinais que se dão. Depois, como sempre há um depois, toma-se a consciência de ter sido tarde de mais, o arrependimento de nada se ter feito. Mas o depois é sempre tarde e as questões apenas descargos de consciência.

Acabou o Gin e a vontade de fazer seja o que for. Perco-me na música a única coisa que me acalenta a vida. Sinto-me perdido e não existe bússola que me oriente. Urge a necessidade de me reencontrar. Mas sei que para isso acontecer necessito de cortar com tantas coisas na minha vida. Preciso da fuga e da solidão, do recomeçar do zero, do perder tudo e necessitar de voltar a construir tudo de novo. Preciso da novidade, da verdade! A verdade: a crueldade. São sinónimos, partes integrantes um do outro. E o que interessa? Porque se a verdade é cruel, também é maleável. Cada um se diz detentor da sua própria verdade, por isso a verdade não será verdade.

Li de uma assentada "Salsugem". No fim vieste-me à mente. Eu chorei.

 

 

 

 

4 comentários

Comentar post