Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

Desabafos...

por Ismael Sousa, em 22.03.18

Há imensos livros abertos e espalhados pela minha secretária. Uma pilha de cadernos amontoados na minha estante. As folhas rabiscadas espalham-se por todo o lado. Há leituras iniciadas, cadernos começados e textos sem sentido.

Estou na minha cama, sentado, olhando todo este caos que me rodeia. Fumo um cigarro enquanto medito no significado que toda esta confusão tem para mim. Aos olhos de um estranho abunda somente a desarrumação; a meus olhos, o turbilhão de ideias, de sentimentos, a desorganização e o caos dentro de mim.

Apago o cigarro no cinzeiro de vidro da minha cabeceira. Só eu entendo o seu significado. Explicar é dar demasiado de mim.

Enfio o isqueiro e os cigarros no bolso do robe. Desço as escadas do meu quarto para a rua. Está um frio enorme mas o céu está estrelado. Subo o caminho por entre a penumbra da noite. Gela-se-me o corpo. Ao cimo, no alto do pequeno monte, sento-me a contemplar o firmamento.

Não são só as estrelas que eu vejo: vejo momentos da minha vida. Nas estrelas residem memórias mais profundas que o fundo do mar. Só eu conheço a sua importância, só eu sei o porquê de as ter gravadas de forma tão profunda.

19452938_1676397089056173_983883729362707101_o.jpg

Reconheço as constelações e vou-as nomeando enquanto que na minha cabeça vislumbro as memórias, como se de um filme se tratasse. O fumo do cigarro que acabei de acender, espalha-se pelo ar dissipando as imagens da minha cabeça. Em meu redor abunda o silêncio. Não há ninguém ali, a meu lado. Não existo na vida de ninguém. Sou somente um objeto, um degrau.

 

Regresso a casa, sento-me ao computador a escrever. Tenho escrito demasiado sobre este abandono em que me encontro, nesta falta de sucesso e de concretização que estou a atravessar. Há quem me comente que deveria guardar para mim aquilo que escrevo ou que aquilo que publico não tem interesse nenhum. É, sou sabedor dessas coisas. Mas o sucesso não é algo que abunde na minha vida.

Os livros abertos, diante de mim, refletem que pouco me preenche, que as palavras já não me segredam. Os cadernos começados e nunca acabados, são pedaços da minha estória, pedaços de mim, do meu eu mais profundo. Estão inacabados porque não há forma de os acabar. E neles vou-me abandonando, vou-me marcando, vou envelhecendo. E os textos sem nexo, sem ligação entre eles, são o abandono a que fui forçado a viver.

Escrevo páginas e páginas tentando libertar-me de tudo o que me atormenta. As lágrimas caem-me sobre o teclado, as pontas dos cigarros ainda soltam fumo.

Abandono-me na noite, desapareço nela. Talvez lutar não valha mais a pena. Perdi, como sempre. Perdi sem saber porquê...