Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

À espera que regresses. Fico à tua espera.

por Ismael Sousa, em 14.09.18

Por mais que nos seja doloroso, haverá sempre uma altura em que nos despedimos de alguém. As pessoas partem, seguem as suas vidas, de livre vontade ou forçosamente. Há outras que partem para não mais voltar, outras em que a partida é definitiva.

Custa sempre dizer “adeus”, “até um dia”.

Chorei todo o caminho que fiz, desde o momento em que te deixei até estacionar o carro em casa. Há muito que nos havíamos separado, há muito que deixávamos de estar lado a lado e que tão raramente trocávamos uma mensagem. Mas permanecias no lugar especial que um dia ocupaste. Permanecias ali. E eu, tantas vezes, tentava odiar-te, tentava esquecer-te.

“A ti…”

Não sei se tu te lembras de metade das coisas que vivemos e fizemos juntos em tão pouco espaço de tempo. Dos quilómetros que andámos juntos, das vielas e ruelas que percorremos. Dos cafés infindáveis, das histórias que partilhámos.

Não sei se tu te lembras daquele local onde me levaste por ser para ti o melhor, com a melhor vista sobre a cidade. Não sei se tu te lembras dos beijos que trocámos, dos abraços que fizemos, do sentimento que se criou.

O tempo, tantas vezes o tempo, estúpido e parvo, que traz mais reflexões que as que devia trazer. O tempo, aquele que passámos juntos, aquele que era mais nosso que do mundo. O tempo que despendemos um com o outro, as conversas e as estrelas no firmamento, os provérbios que completámos. A vida que foi tão pura durante esse tempo.

Agora despedes-te das coisas, partes para longe. Já partimos um do outro mas houve algo que sempre ficou, algo que nunca nos separou, pelo menos a mim.

E aquela noite fria, naquela sala cinzenta, onde ouvimos rádio e lemos poemas, onde escrevemos palavras que pensávamos não conhecer. A ti, quantas vezes a ti te escrevi textos, quantas vezes estivemos mais perto do que nunca, em filmes que vimos, em tanta coisa que partilhámos.

Não sei se vais, não sei se ficas. Sei o que és e o que significas e isso eu nunca vou poder esquecer.

Fica o meu abraço forte e sentido, aquele que muitas vezes trocámos e que tanto desejámos. Fico à tua espera. À espera que regresses. Fico à tua espera.

 

IMG_1306.jpg