Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Blogue de Ismael Sousa

A perspetiva de um homem num mundo tão igual.

Negruras

por Ismael Sousa, em 15.09.18

O caos. Tantas vezes o caos. A mente que percorre mil e um locais, memórias, pensamentos. O caos, responsável por nos fazer pensar.

Uma tarde de sol, o calor nas ruas. Eu, no meu local, refugiado de todos e mergulhado, como sempre, nos meus pensamentos.

Por vezes maldigo a hora em que o meu pensamento começou a funcionar, as horas de sofrimento da minha mãe para me parir. Tomara que não fosse concebido num momento de prazer entre dois seres humanos, gerando uma criança. Haveria de ter falhado algo, haveria de ter passado somente de uma simples ejaculação sem frutos. Mas não. Os espermatozoides decidiram nadar em direção a um maldito óvulo, criando a minha existência.

Sem sorte desde esse momento, fui crescendo ao longo de nove meses, absorvendo aquilo que a minha mãe é, aquilo que ela sentia e que tão bem me transmitiu. Maldita hora em que o cordão umbilical não torceu e eu ficasse somente com aquilo que era essência. Mas não torceu e eu continuei a absorver tudo aquilo que se vivia no exterior, a forma como a minha progenitora sente as coisas e a dedicação que põe nelas.

Devo ter sido feito numa noite de lua nova e nascido numa mesma lua nova, nove meses depois. Saí das entranhas da minha mãe e a minha sorte escorreu juntamente com o líquido amniótico. Limpo das sortes que o mundo tinha para mim, chorei a primeira vez talhando assim um futuro com mais choros que sorrisos.

Cresci, de forma diferente de todos os outros, sempre no meu mundo, sempre na minha forma de pensar, usado e abusado por tantos. A minha sorte não começaria ali. Toldei a minha vida pelo bem ao próximo em preterição ao meu próprio bem. Fui escorraçado e deitado aos leões. Depois veio a saúde que me fez ter que ter forças, mais do que as que eu pensava ter. Perdi demasiado, ganhei mais, talvez. Depois soube que me fiz de pobre coitado, centrando todas as atenções em mim. Maldita hora em que de alguma forma tentei ser diferente.

A noite já se abateu sobre mim, entre cigarros fumados com lágrimas, a longos cigarros pensativos. Tenho saudades, em mim, muitas mais que alguém possa algum dia imaginar. Sou diferente, não sou como todos os outros. Sinto de forma diferente e especial, sinto de forma triste e amargurada. Sou melancólico e triste, negro de alma e de pensamento. Deixei de esperar, deixei de acreditar. O mundo não é para mim, eu não fui feito para o mundo.

Embebedo-me nos meus pensamentos que as ausências me provocam, que os amores que senti nunca foram correspondidos. Um dia achei ser amado, mas fui somente mais um entre tantos. Tive demasiadas partidas e tão poucos regressos. Mergulhei em mim, fechando-me no escuro do meu ser sem luz que o ilumine.

Acabou o maço de cigarros, o bar vai fechar e eu vou deambular pela noite escura e fria. Vou voltar a lembrar de ti, lembrar que um dia estiveste a meu lado. Vou esperar encontrar-te numa rua escura ou iluminada pela rua. Vou esperar-te até que apareças, sentir-te até que sejamos novamente. Vou morrer na espera, desaparecer do pensamento, deixar de ser memória.

À espera que regresses. Fico à tua espera.

por Ismael Sousa, em 14.09.18

Por mais que nos seja doloroso, haverá sempre uma altura em que nos despedimos de alguém. As pessoas partem, seguem as suas vidas, de livre vontade ou forçosamente. Há outras que partem para não mais voltar, outras em que a partida é definitiva.

Custa sempre dizer “adeus”, “até um dia”.

Chorei todo o caminho que fiz, desde o momento em que te deixei até estacionar o carro em casa. Há muito que nos havíamos separado, há muito que deixávamos de estar lado a lado e que tão raramente trocávamos uma mensagem. Mas permanecias no lugar especial que um dia ocupaste. Permanecias ali. E eu, tantas vezes, tentava odiar-te, tentava esquecer-te.

“A ti…”

Não sei se tu te lembras de metade das coisas que vivemos e fizemos juntos em tão pouco espaço de tempo. Dos quilómetros que andámos juntos, das vielas e ruelas que percorremos. Dos cafés infindáveis, das histórias que partilhámos.

Não sei se tu te lembras daquele local onde me levaste por ser para ti o melhor, com a melhor vista sobre a cidade. Não sei se tu te lembras dos beijos que trocámos, dos abraços que fizemos, do sentimento que se criou.

O tempo, tantas vezes o tempo, estúpido e parvo, que traz mais reflexões que as que devia trazer. O tempo, aquele que passámos juntos, aquele que era mais nosso que do mundo. O tempo que despendemos um com o outro, as conversas e as estrelas no firmamento, os provérbios que completámos. A vida que foi tão pura durante esse tempo.

Agora despedes-te das coisas, partes para longe. Já partimos um do outro mas houve algo que sempre ficou, algo que nunca nos separou, pelo menos a mim.

E aquela noite fria, naquela sala cinzenta, onde ouvimos rádio e lemos poemas, onde escrevemos palavras que pensávamos não conhecer. A ti, quantas vezes a ti te escrevi textos, quantas vezes estivemos mais perto do que nunca, em filmes que vimos, em tanta coisa que partilhámos.

Não sei se vais, não sei se ficas. Sei o que és e o que significas e isso eu nunca vou poder esquecer.

Fica o meu abraço forte e sentido, aquele que muitas vezes trocámos e que tanto desejámos. Fico à tua espera. À espera que regresses. Fico à tua espera.

 

IMG_1306.jpg

 

Nevoeiro

por Ismael Sousa, em 11.09.18

O mar respirava diante dos seus olhos, rebentando calmamente na areia que brilhava com o sol imenso que se sentia, parecendo um areal de ouro. As gaivotas esvoaçavam pelos ares, banhando-se do imenso sol, pairando na suave brisa que se ia sentindo. Tudo, naquele quadro que se podia ver à distância, parecia bem. Uma alma que olhava o infinito de uma paisagem para além de bela.

 

Os seus olhos fixavam o firmamento, sem qualquer movimento do corpo. Simplesmente estava ali, no seu mundo, no seu momento. Escorriam-lhe as lágrimas pelo rosto, salgadas no seu palato. Chorava pelo que perdera, pelo que não tinha, pelo que desperdiçara. Ardia-lhe o coração de uma maneira que nem ele mesmo conseguia explicar. Possivelmente, a imagem mais próxima do sofrimento que sentia, seria um coração apertado pelos grilhões dos erros.

 

A memória, tanta vez a memória. Essa maldição que lhe trazia sempre tão maus momentos, porque esses, os maus momentos, os erros, as asneiras, eram o que mais saltavam à memória. Recordava com força aquilo que de bom tinha vivido, mas depois voltava a mágoa, aquilo que fez destruir tudo.

 

Chorava intensamente cada lágrima. Escorria-lhe pelo rosto, marcando todo o percurso que fazia. Chorava na solidão tentando suavizar a dor que sentia. Somente o abanar da cabeça em sinal de reprovação o diferenciava de uma miragem, de uma rocha, de um boneco. Reprovava-se a si próprio. Queria gritar, mas as suas forças não o permitiam. Somente as lágrimas exteriorizavam o seu sentimento. Somente as lágrimas sabiam tudo aquilo que se passava no seu interior, porque estas eram também o seu interior.

IMG_6884.JPG

 

O sol começava agora a mergulhar em direção ao mar, tornando castanha toda a areia, avermelhando o mar azul e calmo. O seu peito ardia incessantemente. As lágrimas secaram, o sabor a mar deixava agora de existir. Somente um olhar vago e triste, sem vida, baço.

 

Ergueu-se. Caminhou até ao precipício. Nada fazia mais sentido. A sua vida não tinha propósito, a sua vida não lhe permitia mais. Amava de forma imensa e raras eram as vezes em que se sentia amado. Precisava morrer, desaparecer, deixar de existir. Em seu peito palpitavam segredos a mais, palpitavam ações escondidas. Tudo haveria de morrer, tudo haveria de desaparecer, deixar de existir. O precipício, a morte, ali, diante de um passo, tão fácil de dar, mas que uma vida inteira distanciava.

 

O mar, avermelhado, tornou-se ainda mais vermelho. O mar, ainda mais vermelho, zangou-se e batia agora de forma bruta contra os rochedos, ressaltando pelo ar, num enorme grito de socorro e fúria. A areia já não valia nada, nem ouro como antes haveria de ter sido tomada. O mar sangue, vermelho, furioso, tornava-se negro. O sol já não brilhava mais, havia mergulhado para as profundezas do oceano. Em redor tudo era sombra e penumbra, tudo era negro. O nevoeiro ganhou vida, tomando como seu todo aquela paisagem que antes parecia perfeita. Não haviam lágrimas, não existia ouro, não havia calma. Somente a tempestade, somente o negro, a morte que o clima indicava. Alguma coisa ou alguém morreria, haveria de morrer, pois o nevoeiro não se apodera sem levar alma consigo.

 

O silêncio. Já nem o mar bramia nem o vento soprava. Já não se ouviam os guinchos das gaivotas. Tudo era noite. Somente, por entre a neblina da noite, do nevoeiro que haveria de levar recompensa, a luz do farol que guia, que conduz, que avisa.

Metamorfoses de trovões!

por Ismael Sousa, em 04.09.18

A trovoada possui os céus lá fora, enchendo de luz toda a escuridão da noite. Não cai uma gota de chuva, somente a secura de uma trovoada de verão inundando de luz onde o sol há muito deixou de brilhar. Pela janela do meu quarto entram esses clarões de essência, dando existência a tudo o que está em meu redor durante breves instantes.

 

Estou deitado na cama, mergulhado no silêncio possível, submerso em pensamentos. De olhos fechados recordo cada traço do teu rosto que parece estar mesmo a meu lado. Sinto o teu cheiro que me tolda o pensamento. Os meus lábios sentem os teus lábios carnudos e dóceis, suaves e doces. Sinto o teu corpo junto ao meu, mesmo não estando. O teu respirar cai sobre mim e os teus lábios ainda percorrem o meu pescoço. O calor da tua pele, o sabor dos teus braços em torno de mim. Apertados, como se nos quiséssemos tornar um só. Esse calor apertado, esse abraço que não deixa de existir.

 

Cada palavra que escrevo se parece tão insuficiente para descrever aquilo que sinto. Mais um clarão, a breve existência em redor de mim. Tudo ganha vida tão brevemente e a minha realidade inferniza-me sabendo que não estás aqui.

 

Possuis-me mesmo não estando. Sinto-te presente na ausência que vivemos. E os teus lábios suaves nos meus, os meus dedos em tua face, eu e tu, nós e nada mais.

 

Sinto-me enfeitiçado, na estranheza e incerteza daquilo que vivo ou sinto. E estes breves instantes de uma existência real ou imaginária tornam-me vulnerável e inseguro. O meu coração fala-me mais que a razão. Sempre falou. Um dia irei arrancá-lo se me voltar a fazer sofrer. Irei atirá-lo para as profundezas do mundo para que ninguém o coloque em seu peito. E se um dia eu voltar a chorar por coisas que o coração me faça sofrer, regarei as flores do meu canteiro, para que nasçam e gritem ao mundo que o coração só faz sofrer.

 

E em amanhãs que me perca de esperanças infundadas, que no fim finde a minha vida junto ao mar das saudades que tanto sinto, morto por um clarão qualquer que me rodeie e tire de mim a vida que me sustenta, homem sem lágrimas e sem coração.

 

Novamente um clarão, vida por um instante, coração palpitante, lágrimas secas, razão censurada. Pensamentos e vida, eu e tu, nós se existir um nós. E o bater do teu coração, peça indispensável de vida, junto ao meu peito, o ar que te insufla os pulmões e me aquece o pescoço. E eu e a minha saudade. E eu e a minha existência.

 

E de novo os teus lábios carnudos, o teu corpo contra o meu. E o medo que me assola de ser mais um momento. É um último clarão, fraco, inundando fracamente tudo em meu redor. O último, o final, o derradeiro. E eu que me deixei levar pelo sono sem mais saber que existências terei no amanhã que surgirá tão certo como as estrelas brilharem mesmo por detrás das nuvens carregadas de raiva e energia. E nesse amanhã não saberei se eu estou. Talvez este último, derradeiro, final clarão me retire a vida, deixando o corpo frio, sem movimento, sem bater de coração.

EA3A4AA1-D022-47BA-91F8-D4DB632FB528.jpeg

 

E se chovesse...

por Ismael Sousa, em 27.08.18

E se chovesse? E se a chuva voltasse a cair? Por onde me perderia em pensamentos?

Enroscava-me em teus braços, na esperança de um adormecer reconfortante.

 

E se chovesse? Veríamos um filme de fronte a uma lareira acesa, recostados um no outro.

 

E se a chuva voltasse a cair, por onde andaríamos sem nos termos?

 

E se chovesse em que reencontros no encontraríamos, por onde andaríamos?

 

E por não te ter desejo tanto ter. Por não te sentir, tanto desejo sentir. E nos sonhos que um dia havemos de sonhar, nas palavras que um dia iremos trocar, nos reencontrarmos em sentimentos que achamos já não existirem.

 

E se não chover, haveremos de nos perder naquilo que achamos existir ou no que pensamos não acreditar.

 

Eis-me aqui, junto à janela, sem saber se chove ou não. Se os sonhos não passarão somente disso, se os dias serão tão longos como parecem ser. Eis-me aqui, perdido em pensamentos sob o horizonte que me foi proibido, impedido de fumar o cigarro que me foi rejeitado.

 

Aprisiono-me na vã esperança de saber ou tentar imaginar. Perco-me somente nas palavras que desejo escrever ou proferir, no quão estranho posso ser, na inólvidada esperança de um dia ser feliz.

 

E se chover ou não, pouco importa na imensidão dos desejos e pensamentos, naquilo que tanto desejo sentir, na estranheza de saber ou no infundado fundamento de sentir.

 

E se não chover, que serei num amanhã incerto, na extrema vontade de ter o que desejo sentir.

 

O tempo está estranho, tomando as almas inocentes para um estado de reflexão. O tempo rouba-nos o viver, tolda-nos a mente e a forma de pensar. E se chovesse me que nos tornariamos? E se chovesse... 

Espero por ti...

por Ismael Sousa, em 10.08.18

Deambulo pelas ruas em busca de ti. Eu sei que tu não estás, mas todo o meu ser deseja encontrar-te. Vejo-te, agora, só na minha mente. Recordo com imensa intensidade o teu cheiro, o teu sorriso, a tua voz. Falta-me o calor do teu corpo junto ao meu.

 

Na minha memória guardo, com todas a minhas forças, cada momento passado junto a ti: as conversas que tivemos, os locais que visitámos, os beijos que roubámos.

 

Estou só: vive um corpo perdido sem ti. Na minha mente ecoam as perguntas de como estarás, se sentirás a minha falta e o quanto eu gosto de ti.

 

Abate-se, de uma forma intensa, sobre mim a saudade que tu me deixas.

 

Tão pouco tempo e um sentimento tão grande que transborda de uma forma que eu não consigo explicar. Falta-me as palavras, falta-me a vontade, abundam as lágrimas.

 

A distância é algo que nos atormenta, algo que se nos impõe sem que o desejemos. Um teste, talvez.

IMG_9310.jpg

 

Já não moram sorrisos neste rostos, já não resido aqui. Estou perdido e sem rumo e tu faltas para me orientar.

 

Há a esperança que ainda arde por te voltar a ter em meus braços, por sentir o sabor dos teus lábios. O meu coração palpita, as lágrimas não me abandonam. E eu... aqui, perdido em pensamentos, deambulando como morto pelas ruas, sem vontade de aqui estar.

 

Morro a cada minuto que passa, a cada quilometro que aumenta. Só eu sei Que morro por não te ter, por não saber quando voltarei a teus braços...

 

Espero por ti, nem que a chuva caia abundantemente.

 

Espero por ti, nem que as lágrimas consumam todo o meu ser.

 

Espero por ti até ao fim...

Encruzilhada

por Ismael Sousa, em 02.08.18

Seria um fim de tarde perfeitamente normal, aos olhos dos que percorriam as ruas da cidade.

 

O rio corria na sua calma que lhe é tão característica, dividindo-se por entre os pilares da histórica ponte. O sol caiava de laranja todo o espaço que percorria, espelhando no rio as árvores e arquiteturas mais próximas. Voavam andorinhas no ar, livres e ao sabor da pequena brisa que se fazia sentir. Uma tarde perfeitamente normal, um fim de tarde como tantos outros, num dia comum.

 

Junto ao varandim, de ferro gasto pelo tempo, expectador de tantas histórias de amor, de tantas lágrimas e desesperos, encostava-se alguém, com o coração apertado e o olhar perdido na imensidão do infinito. O mundo corria, sempre, indiferente. Sentava-se, voltava a levantar-se. E de novo se sentava, os óculos de sol a girar sobre os dedos, a cabeça pousada na palma da mão. Fervilhava cada milímetro do sistema nervoso. Percorriam-lhe os pensamentos pela cabeça, como seria, como não haveria de ser. O coração palpitava no peito, quase que saltando-lhe pela boca. Reviravam-se-lhe todas as entranhas, o medo e a ansiedade tomavam conta dele.

 

O tempo passava de forma lenta e acelerada ao mesmo tempo. Um miscelânea incapaz de ser compreendida, uma tempestade de sentimentos. O rio continuava calmo, o sol tornava-se cada vez mais vermelho. Circulavam gentes, voavam andorinhas. Uma voz, atrás um salto no coração. Levantou-se, corou, os nervos aumentaram.

 

Vieram as primeiras palavras ditas ao acaso, num cumprimento cordial e sem qualquer sentimento aparente. Só ele sabia o quanto estavam carregadas de sentimentos aquelas primeiras palavras. Depois, calmamente, veio o abraço apertado, o abraço que acalma, que não deveria ter fim, somente princípio e entretantos.

 

Passaram o rio ainda com tão poucas palavras ditas e com tanto ainda por dizer. Um café, uma esplanada, um coração que era agora paz.

 

É incompreensível a razão que faz o coração palpitar assim, de uma maneira estranhamente estranha. Há borboletas no estômago que só conhece quem sente.

 

O sol brilhava de uma forma especialmente especial. Viviam-se vontades e sentimentos, coisas que quase ninguém conseguia perceber.

 

Cada traço, cada olhar, cada pequeno gesto era agora percetível. A verdade estava ali, na sua forma mais pura. Houve a ânsia, o nervosismo, mas naquele momentos só a calma. A tempestade transformara-se em bonança, a calma o reflexo do nervosismo. O rio corria calmo, o sol quase que se pusera e já não notava se havia andorinhas pelo ar.

 

Num olhar comum, tudo seria normal. No coração tudo era diferente e especial. A estranheza acabara, a verdade revelara-se. As horas já eram galopantes, saltando de dez em dez minutos, fazendo passar o tempo na metade daquilo que se pensava na realidade.

 

A magia que existia no ar, a magia que existia nos sentimentos. Um coração palpitante e ansioso, era tudo o que havia para dar. Por entre os abraços e os beijos, as mão unidas ou os braços apertados, viveu-se num mundo de magia, aparentemente normal.

 

Depois, depois cresceu a saudade numa forma muito maior. Cresceu o sentimento em tudo aquilo que a vida tem para dar. Teme-se o futuro mas existe a vontade de lutar. E num amanha ainda maior e mais persistente, a vida não deixa de ser vivida. O sentimento e a saudade, de mãos dadas, vão crescendo cada um na sua medida. Um cresce para nunca acabar, o outro para se ir diminuindo cada vez mais.

 

Um coração que no silêncio e no desconhecido palpita por alguém lá longe, por amores conhecidos.

 

Este sentimento que cresce e vive, este sentimento que não deixa de existir. De tantas leituras ainda não se conseguiu encontrar forma mais bela para se descrever aquilo que se sentiu. Os sentimentos escrevem-se mas não se explicam no papel nem em palavras. Somente sentindo e proferindo palavras verdadeiras que correspondam aquilo que se sente.

 

A noite, a maior amiga e a maior inimiga dos amantes, chega e destrói. Mas existe sempre algo que perdurará no tempo, haverá sempre algo guardado em memórias, essas que são e serão sempre maiores que as palavras que se escreve um dia.

 

E no silêncio da noite, na escuridão de um quarto, ainda se sente o seu cheiro.

 

 

...

por Ismael Sousa, em 24.07.18

Perco-me na infinítude do teu olhar. Anseio conhecer cada traço do teu rosto, cada local teu, cada sentimento e pensamento. Quero-te, junto a mim, em dias incontáveis de eternidade, onde sonhos e mundos habitam em nós e somos tudo aquilo que desejamos.

 

As horas passam infinítamente em anseios de te ter junto a mim, em meus braços e em meu sentir. Sentir o teu cheiro, conhecer a tua respiração, o sabor dos teus beijos e o calor do teu abraço.

 

O sonho e a vontade perpetuam a vontade de ser parte de ti, num complemento e conformidade que só nós dois conhecemos. O tempo que é indiferente, o tempo que não sente ou que não quer sentir, o tempo que acentua e magoa, o tempo e o tempo.

 

Sonho-te em cada momento que o meu pensamento se desliga do trabalho. Sinto o corpo a movimentar-se e o meu pensamento a procurar-te. Viver cada segundo inseguro de ti, com o receio de te perder, o medo de não bastar.

 

Tantos os silêncios que nem o mar me traz conforto. Olho-o na sua imensidão, para além das vidas que me circundam, em momentos de ilusão e abandono. Quebro as regras que me impuseram: o sonho e a vidraça, o café e o horizonte sem fim. E em fins inesperados me espero encontrar contigo.

 

Falham-me as palavras que te quero dizer; falham-me as forças e a confiança. O café está frio, o sol não me aquece a alma. Sinto-me a vaguear sem rumo, na ausência que não compreendo. A vida passa-me diante dos olhos e a melancolia abate-se de novo sobre a minha alma negra e esfarrapada.

 

Saio, para a rua, em ausências inexplicáveis. A vida, que simplesmente corre, não se inebria por mim. Há um triste fado nesta forma de viver, nesta dor de sentir, nesta fome insaciável. Há um fado melancólico em palavras bucólicas e desajeitadas, tentando dizer tudo aquilo que sinto em mim.

 

Falham-me as formas gramaticais, as palavras e os verbos. Repito o que digo sentindo inexplicavelmente algo maior, que não consigo compreender, que não consigo ver. E o depois que é sempre tão constante, impedindo a forma de viver bem o presente que desejamos. O medo de um futuro esvaziando aquilo que dentro de nós existe. Pelas palavras que dizemos, comprometemos as nossas vidas, unindo-as num forte laço inquebrável por quem quer que passe.

 

Sonhos, ilusões, certezas ou angústias. Perdas irreparáveis, medos e receios.

 

Uma estrada ou meio, uma forma de chegar. Vai-se ficando, vai-se vivendo. Um estado de inexplicável sentimento, que nenhuma palavra no meu conhecimento consegue traduzir aquilo que dentro do meu estranho ser se faz sentir. Talvez um fado, talvez uma saudade, quiçá um fado-saudade.

Há ou existe!

por Ismael Sousa, em 18.07.18

Poderia haver uma história de amor. Ou quem sabe uma história de transformação. Poderia ter sido as duas coisas. Mas poderia não ter sido nada.

 

Há sempre uma janela com vista para um horizonte incansável, um cigarro entre os dedos. Há sempre tanta coisa num pensamento distante e vago. Havia eu, ali, em solidões exaustivas, em olhares perdidos e horas queimadas em cigarros acesos.

 

O mundo muda na sua universalidade. Existe tanta coisa esquecida e abandonada. Existe tanto para onde fugir, tanto para onde partir. Há quem deseje ficar, outros desejam partir. Há mundos pequenos, existem mundos grandes. Há quem vá e existe quem fique.

 

Senti a falta num coração apertado. Houve uma insuflação de ar, de um novo ar. A esperança de um novo recomeço. Há gente que sonha, existem quem concretize. Eu fico-me pelos intermédios.

 

Voltei no tempo a um espaço onde me sinto confortável. Um lugar onde eu um dia fui feliz. Regresso a um passado solitário, um passado que tão poucos conhecem, que tantos desejaram ignorar, que fizeram por não estar. Regresso a um presente diferente de tudo aquilo que um dia sonhei. Vou e volto entre passado e presente. Viajo por um espaço tão meu, tão exclusivo. Voo pelos meus sonhos de uma forma indiferente.

 

Não existem cartas de amor, não existe a impressão de se ser amado ou desejado. O mundo corre sempre indiferente a corações que palpitam por coisas mais importantes que a superficialidade de um mundo que ambiciona o momento, esquecendo o futuro.

 

Atravessei a cidade em passo lento, atravessei o mundo em pensamentos. Aqui, ali, acolá ou além. Importa existir, importa ser-se, importa amar.

 

Encontrei poesia na esquina de uma viela escura, desprezada por todos, pela sua degradação. Há a dor e a frieza em mil olhares direcionados, onde a raiva e a dor permanecem de uma forma cruel.

 

Um piano abandonado numa rua deserta. A melodia que ecoa num coração de amor, o silêncio nas palavras. Ali, diante do olhar, as teclas sujas pelo tempo e abandono. As notas desafinadas de um ritmo brando. Soou a mais bela das canções, a mais bela das músicas. Ecoou um mundo que existe somente num pensamento e na vontade da concretização.

 

Há, existe.

 

O presente. Somente o presente nos tolda o pensamento. O que passou, passou; o que ficou, ficou. O futuro não existe, o futuro é uma ilusão. Seremos sempre folhas em branco, tábuas rasas, onde escreveremos o rumo que queremos tomar. Há sempre a oportunidade de um ponto final, existe sempre a oportunidade de terminar e recomeçar. O mundo em espelhos quebrados e amaldiçoados.

 

Sonhos de alguém que nunca sentiu.

#EuNãoMeCalo

por Ismael Sousa, em 17.07.18

"Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e consciência, devem agir uns para os outros em espírito de fraternidade."

Eis o primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos do Homem.

 

Não é a primeira vez que falo sobre este tema ou que cito este primeiro artigo daquela que é a Declaração Universal dos Direitos do Homem. Não é a primeira vez que falo sobre este tema, incomodando muita gente e deixando sempre todos aqueles que me lêem um tanto ou quanto chocados. Não é a primeira vez que me revolto por causa disto, por causa de temas como este.

 

Nenhum de nós pediu para vir ao mundo. Nenhum de nós teve a livre decisão de viver nesta sociedade. Nenhum de nós desejou viver num mundo assim. Mas todos fomos obrigados a nascer, obrigados a fazer parte desta sociedade. Mas todos somos livres de expressarmos a nossa opinião, desde que a mesma respeite a pessoa que está ali ao lado. Há coisas que podem ser ditas, outras só podem ser pensadas. Na minha educação sempre houve o princípio de que a minha liberdade termina onde começa a do outro. Nenhum de nós escolhe a forma como nasce nem onde nasce. Mas todos escolhemos a forma como desejamos viver esta vida que nos foi dada.

 

Nos primórdios da criação, os homens comiam carne crua, andavam sobre os pés e as mãos. Nos primórdios da existência humana vivia-se em cavernas, andava-se nu e sujo. O homem, "dotado de razão" evoluiu: cozinhou a carne, vestiu roupas, lavou-se, construiu casas e formou sociedades. A "razão" evoluiu consoante as descobertas que o homem foi feito. E desde que o homem decidiu ser diferente dos outros animais que a evolução tem tido somente uma direção: sempre em frente. Diferentemente, o pensamento humano parece estar a regredir no tempo.

 

Cada pessoa é livre e decide fazer da sua vida aquilo que deseja. Uns preferem manter-se calados, outros decidem falar. E no que toca a uma violação de um direito que nos é dado logo quando nascemos, eu não me consigo calar.

 

A noticia tem sido falada, a noticia tem sido abafada. Uma vez mais o xenofobismo e a homofobia estão em cima da mesa para ser debatida e falada. Num lado temos uma etnia, por outro uma orientação sexual. Todos olham para estes rótulos mas ninguém olha para o que está por detrás desses rótulos: homens!

 

A violência sempre foi a espécie de cobardia mais bem camuflada de todos os tempos. Age-se por medo da opressão, por cobardia e falsos idolos. Agride-se por inveja, inveja a uma felicidade alheia, incapazes de conviver com isso. Há gente que não entende, existe gente que não suporta.

 

Há sempre um enorme conflito em torno das Marchas LGBTI que ocorrem em todo o mundo. As pessoas acham que esta marcha é uma afronta à sociedade, há outros que a entendem por uma demonstração de isto ou aquilo. Marcha-se por direitos, marcha-se por convicção, marcha-se por contrariedade à opressão. Todos marcham por esta ou aquela questão. As mulheres marcharam por ter um lugar melhor na sociedade, os homens marcharam por melhores condições de vida e trabalho. Os portugueses marcharam contra o regime salazarista, o mundo marchou pela Paz.

 

Mas aqui não se trata de ser uma marcha disto ou daquilo. Trata-se de uma violação grave dos direitos dos homens. É verdade, sim, que este é um tema que tem muito por onde se falar. Mas despindo-me de etnias e orientações sexuais, cinjo-me ao que está no pano de fundo: um grupo de homens agride outro grupo de homens por uma mifestação de amor. Eu não tenho outro nome a não ser ignorância ou necessidade de superioridade. Não existem desculpas para a agressão. Qual o propósito? Onde está a compreensão? Há sempre mil e uma questão.

 

A violência gera violência. E quanto mais uma sociedade é oprimida, mais essa sociedade se torna revoltada e provocadora. Existem sempre culpas parte a parte. Há abusos de um lado, abusos de outro. Mas independentemente das opiniões, independentemente das crenças, urge a necessidade de se respeitar o ser humano como ele é, naquilo que ele acredita. Vivemos numa sociedade avançada em tecnologia e retrogada em pensamento. Haverá sempre algo que não vamos gostar, algo que não vamos aceitar. Mas daí a cometer crimes, a agredir uma pessoa, ultrapassa-se todos os limites.

 

Há sempre muito a dizer, o meu tempo escasseia, eu nem sei como escrever sobre a revolta que existe dentro de mim. Não consigo escrever um texto tão bom quantos outros que tenho lido. Não consigo escrever um texto que toque os corações de quem os lê. Mas consigo não ficar calado e à minha maneira marcar a minha posição. Um dia o homem compreenderá os erros que cometeu e virá a público pedir desculpa. Homens serão sempre homens, aqui ou no infinito do Universo. Seria bom que como diz o artigo primeiro da Desclaração Universal dos Direitos Humanos, devemos "agir uns para os outros em espírito de fraternidade."